Patrick Lange vence com recorde, Daniela Ryf conquista o tricampeonato em Kona

 

 

Depois de uma forte chuva na madrugada, Kailua-Kona “ferveu”,  na manhã deste sábado, num dia quente para ficar na memória dos triatletas no mundial de Ironman, no Havaí.

Bem que o atual bicampeão Jan Frodeno demorou uns 10s para responder a uma pergunta, durante a conferência de imprensa na véspera da prova. Teria o seu compatriota Patrick Lange  mudado os parâmetros com a sua perfomance voadora no ano passado?  Ele quebrou o recorde da maratona do Ironman do Havaí, com o tempo de 2h39min para os 42km.

Não… respondeu Frodeno – pensativo e meio indeciso na sua resposta…. Parecia não querer dar uma moral para seu adversário. Estratégico, mas deu a resposta errada… .

Sim… Patrick Lange repetiu novamente sua grande perfomance com os pés no chão e acabou conquistando a vitória no final da maratona. Seu tempo? 2h39min59s, em um calor absurdo – ainda mais impressionante. O jogo mudou.

Com a natação liderada pelo australiano Josh Amberger (47:09), o pelotão de 32 atletas saiu d’agua com apenas 1min de diferença e contava com os principais favoritos, entre eles, o brasileiros Colucci, Vinhal e Amorelli – para a alegria da torcida brasileira.

Sanders liderava o 2º grupo com Sebastian Kienle e Boris Stein, mais de 5min atrás. Amberger segurou a liderança até o km 45, mas a grande mudança foi a aproximação de Sanders e Kienle, que já se encontravam no pelotão principal, antes da subida do Hawi.

A partir daí, os ataques começaram e a prova começou a mudar. Neste momento Igor Amorelli, chegava no retorno em Hawi junto com Sanders, Kienle e cia. Após a descida, Sanders, o ex-ciclista Cameron Wurf e Kienle, abriam 1min para o grupo principal.

 

O australiano Josh Amberger liderou a prova nas 3 primeiras horas

 

Mais atrás Patrick Lange, sentia os ventos laterais, ficando para trás dos líderes.

No final dos 180km, Wurf entregava a bike em 1º, com quebra de recorde da bike (4:12:54), 58s à frente de Sanders (4:14:19) em segundo e Kienle (4:14:57) em terceiro. Frodeno, com um défict de apenas de 2min13s, parecia numa posição boa para a vitória, mas com dores, começou a andar no km 3. Lá na frente, Sanders assumia a liderança com Kienle em segundo, seguido de Wurf.

A prova parecia que ia ficar entre Sanders e Kienle, mas Patrick Lange veio tirando a diferença com um ritmo alucinante.  Na entrada do Energy Lab já era possível fazer as contas e a vitória era matemática. Lange ultrapassou Kienle e no km 38 ultrapassou Sanders, que ainda tentou reagir por alguns segundos.

Chegando na cidade, o alemão, melhor corredor do mundo em provas de Ironman, agora se tornava também o melhor do planeta – vencendo o mundial de Ironman com o recorde da prova em um tempo sensacional de 8h01min40. O recorde da prova era do australiano Craig Alexander, 8h03min56s, estabelecido em 2011.

 

 

Ele não parecia acreditar, após cruzar a linha de chegada. Sanders, guerreiro, chegou em 2º com David Macnamee, em uma excelente maratona – completando o pódio. Kienle foi o 4º com o sul-africano James Cunama em 5º.

Os brasileiros Thiago Vinhal e Igor Amorelli, chegaram abraçados, na 13 e 14ª colocações, respectivamente. Thiago correu a maratona para 2h55 e Igor para 3h08 – depois de entregar a bike entre os 10 primeiros. Colucci, sentiu o calor e o ritmo no pedal, terminando bem atrás, na 38ª colocação.

Thiago Vinhal – 8h27min24s
Igor Amorelli – 8h27min26s
Reinaldo Colucci – 9h38min30s

Tricampeonato
A britânica Lucy Charles, de apenas 24 anos, junto com a americana Lauren Brandon lideraram as ações na natação e por quase todo o ciclismo.

A grande bicampeã e favorita, a suíça Daniela Ryf, não se sentia bem no pedal como de costume e pedalava na 3ª colocação junto a com as australianas Sarah Crowley e Annabel Luxford. A americana Heather Jackson, vinha um pouco mais atrás.

Daniela Ref, tricampeã mundial consecutiva do Ironman

Faltando 40km para o final, Ryf finalmente reagiu e alcançou a liderança, depois de passar o dia inteiro perseguindo suas adversárias. Lucy Charles vinha em segunda com Lauren Brandon em 3ª.

Na maratona, Dani passeou e foi abrindo vantagem sobre Lucy. Brandon perdeu o ritmo e a 3ª posição para Sarah Crowley. Heather Jackson, uma das favoritas, com uma boa corrida, chegou na 4ª colocação.

O mundial de Ironman 2017 reuniu  mais de 2400 triatletas classifcados, em seletivas durante o ano, o que representa a nata do esporte. O evento em 2018 acontece dia 13 de outubro.

 

Deixe seu comentário

comentários

Redação

redacao@golonger.com.br

error: copyright Trisport