Na contagem regressiva: Entrevista com Pâmella Oliveira sobre a Rio 2016!

Como tem sido seu trabalho atualmente de natação/ciclismo/corrida?
Foco grande no ciclismo, principalmente nas subidas. A corrida sempre é a modalidade que mais trabalho, independente de qualquer coisa. A natação é a modalidade que mais consigo manipular no planejamento, já que é onde tenho maior facilidade, então consigo treinar menos sem perder qualidade, e deixo mais tempo para as outras duas.

Quem faz parte de seu staff de treinamento?
É o Sergio Santos que planeja tudo, mas eu ainda conto com a ajuda do técnico-adjunto Vasco Pessoa, que também é meu pace maker.

E sua programação nutricional, como é quem te orienta?
No momento minha nutricionista é de Lisboa, a Cátia Costa, e estamos conseguindo chegar ao objetivo proposto. Tenho que fazer grandes restrições para não ficar seca e pesada. Para correr mais rápido, preciso ser mais leve, e eu não sou. Consigo me alimentar bem, com grande qualidade e até ficar ‘sequinha’, mas tenho facilidade em ganhar massa muscular, então para isso preciso restringir bastante a quantidade de infesta para chegar no meu ‘mais leve’. Como é muito duro, nano consigo estar assim sempre, então faço em momentos cruciais como agora.

Quando chega ao Rio de Janeiro?
Somente bem próximo da prova, quatro dias antes, no dia 16 de agosto.

Vocês vão ficar no SESC, em Copacabana. O que achou da medida?
Foi a melhor opção. Estamos muito próximos e conseguimos fazer tudo sem grandes logísticas, além disso, nos atenderam muito bem por lá.
Vai participar de algum desfile de delegações?
Só o de encerramento.

O que visualiza para a prova, desde a natação?
Nos Jogos Olímpicos tudo pode acontecer; é sempre uma prova única, mas penso que a natação em mar aberto pode favorecer nadadoras mais fortes, principalmente se o mar estiver mais agitado. Quanto ao ciclismo, acho que vai ser crucial para o resultado. É um percurso duro, onde fugas na subida poderão acontecer, dividindo grupos e favorecendo assim a corrida de quem conseguir sobreviver à bike. A corrida ainda contará com o fator calor. Concluindo: Vejo uma prova muito dura do início ao fim, mas no quesito ‘disposição para sofrer’, podem ter certeza que terei nota alta!

Competir no Rio de Janeiro, sabendo que vai contar com a maior torcida que já teve, te deixa mais ansiosa/nervosa ou consegue segurar bem isso?
Adoro a torcida a favor. Costumo competir muito bem em casa. Entro com vontade pra mim e pra todo mundo que está lá gritando. Me sinto mais forte e com mais vontade. Pra mim, só tem pontos a favor.

Quando trocou a natação profissional pelo triathlon em 2007, imaginou que quase dez anos depois estaria indo para sua segunda Olimpíada?
Naquela época não imaginava, mas quando percebi que poderia fazer muito mais, comecei a ir atrás de tudo que fosse possível para conseguir tirar o melhor de mim. Foi assim que vim parar tão longe para treinar, no caso, Portugal. Foi para tirar o melhor de mim. Foi uma surpresa a medalha logo no meu primeiro Pan, em Guadalajara, e aí tive a certeza que eu ainda poderia conquistar mais. A classificação para os Jogos de Londres 2012 foi muito dura, mas valeu todo esforço, só aumentando mais a minha confiança no trabalho que estava sendo feito. Agora, com todo esse histórico, usamos todos os erros e acertos para fazer a melhor preparação possível para os Jogos do Rio.


Idade: 28
Cidade natal: Vila Velha (ES)
Cidade onde mora: Rio Maior (Portugal)

Peso: 59kg (tentando baixar para 58kg!)
Altura: 1,66m
Patrocínio principal: SICOOB
Outros patrocínios: Asics, Exército Brasileiro e CBTri 
Apoios: Blue Seventy, Oakley, Gold Nutrition e Boma Carbon Composite

Deixe seu comentário

comentários

Redação

The author didnt add any Information to his profile yet