Jogo Rápido: Kauê Willy treina para estar em Tóquio 2020!

Aos 19 anos, Kauê Willy está fora da corrida olímpica, mas sonha e treina de olho nas Olimpíadas de Tóquio, em 2020. Paranaense, Kauê começou a praticar natação aos seis anos na equipe de travessias do pai. Aos oito descobriu o triathlon por meio de sua mãe, a triatleta Márcia Willy.

Como você avalia sua performance em 2015?

O ano de 2015 foi um ano bem complicado para mim. Primeiro semestre parecia um sonho, consegui todos os resultados que tinha traçado, bons treinos, melhorando nas três modalidades a cada dia. Mas de uma hora pra outra mudou tudo, como se o mundo tivesse virado de cabeça pra baixo. Mas não posso reclamar, é na derrota onde aprendemos mais.

Estar na seleção brasileira era uma meta no início do ano?

Com certeza. Esse é meu quarto ano na seleção brasileira e pretendo permanecer mais quatro (risos). Sempre que começo meus treinos e traço minhas metas, coloco a seleção brasileira como um dos principais focos do ano.

Quando percebeu que isso era possível?

Quando consegui o vice-campeonato no Sulamericano e no Panamericano Júnior. Percebi que estava crescendo a cada dia, percebi que poderia integrar a seleção novamente por mais um ano.

Sente uma cobrança maior por conta disso?

A cobrança é sempre grande pela conquista de resultados bons. Sendo da seleção e estar competindo com rivais de alto nível, a busca por resultados certamente ganha uma pressão muito maior.

Que prova marcou o seu ano? Por quê?

Tenho três provas que marcaram meu ano, duas boas e uma ruim. A boas foram o vice-campeonato sulamericano com meu parceiro de seleção e grande amigo desde do infantil Manoel Messias. E também vice panamericano júnior o que me deixou muito motivado para o Mundial. A ruim foi o Mundial. Infelizmente se tornou duathlon terrestre devido ao mau tempo. Ficou de fora a modalidade que eu  apostava muito: a natação. Por conta disso entrei com a cabeça muito ruim para a prova. Não consegui desenvolver a corrida e no final cai com a bike, o que me tirou da prova. Mas sem desculpas, aprendi e ouvi de amigos meus que temos que estar preparados para o que vier. Então, cabeça erguida!

Em que prova sente  que poderia ter dado um pouco mais? Por quê?

Com certeza o Mundial. Essa prova vai ser a pedra no meu sapato pra sempre. Se eu tivesse um desejo pediria pra fazer o Mundial de novo. Era uma prova em que eu estava muito confiante e tudo veio água abaixo rapidamente. Estou tentando entender até hoje o que aconteceu comigo naquele dia.

Qual sua meta como atleta da seleção brasileira em 2016?

Esse ano é de transição. Estou saindo da Júnior e indo para a Sub23. Vai ser um ano com muitas  mudanças, mas quero conseguir bons resultados já no começo para deixar os torcedores orgulhosos.

Em que provas sonha em ter sua melhor performance?

Com certeza o danado do Mundial (risos). Quero conseguir um ótimo resultado no Mundial Sub23 e nas world cups que vou fazer.

Que modalidade sente mais dificuldade?

Não digo dificuldade, mas tenho que treinar mais a corrida. Tenho que evoluir bastante nela. Ano passado consegui evoluir muito e alcancei todos os tempos e metas que tinha. Nesse ano quero evoluir mais ainda e ter uma consistência nela.

De que forma pretende trabalhá-la mais forte em 2016 para atingir seus objetivos?

Mais treinos específicos e mais sacrifico. A corrida não tem muita mágica pra melhorar não. É treinar, treinar, treinar e treinar até o tênis furar. Olha que já estou com dois pares de tênis aqui em casa furados e ainda tenho muuuuito o que correr…

Estamos em ano olímpico. Você se imagina largando numa Olimpíada?

Vou estar na Olimpíada do Rio, mas na arquibancada. Mas com certeza vou fazer de tudo para estar em 2020 em Tóquio. Meu sonho desde criança é participar de uma olimpíada. Tenho foto da logomarca das olimpíadas de Tóquio pendurada no meu quarto para lembrar que o objetivo maior ainda não foi alcançado. Em cada tiro de natação, corrida ou ciclismo, me imagino numa olimpíada. Deve ser um ar mágico, uma sensação de como se tivesse flutuando. Não vejo a hora ….

Deixe seu comentário

comentários

Redação

redacao@golonger.com.br

error: copyright Trisport