Direto de Kona: Entrevista com Rafael “Palito”, treinador de Igor Amorelli!

Junto com Carlos Moraes, Rafael “Palito” Cruz é um dos treinadores de Igor Amorelli. Parceiro nas glórias e frustrações, ele conta neste bate-papo um pouco de sua história e de como trabalha com um dos maiores triatletas brasileiros.

Como chegou ao triathlon e à função de treinador?

Iniciei na Unimonte (uma Universidade de Santos) tentando aprender a nadar com 15 anos (acho que não aprendi até hoje…), e fui fazer aulas a convite de um colega. A Unimonte respirava triathlon e tinha a melhor equipe do Brasil; logo iniciei no biathlon e triathlon. No meu segundo ano de triathlon ganhei bolsa de estudo no ensino médio e posteriormente na faculdade de Educação Física. Continuei treinando com o sonho de ser atleta profissional e cursando a faculdade durante uns dois anos, até o dia que meu técnico de natação Ricardo Cintra, me chamou para uma conversa e foi bem sincero ‘’cara você é muito esforçado, porém não tem talento algum e vai demorar muito para ter um resultado mediano, você quer investir nisso para sua vida?”

Realmente já estava pensando no triathlon de outra forma e aquela conversa serviu para me motivar e iniciar os estágios com o mesmo. A partir dali foi naturalmente acontecendo as coisas e fiquei estagiando alguns anos com ele até assumir o comando da natação dos triatletas profissionais de Santos.

Quando começou a treinar o Igor?

Me mudei para Balneário Camboriú (SC) em 2011 para trabalhar com a Fundação Municipal de Esportes /Trial. O primeiro convite na verdade foi para ficar alguns dias treinando o triatleta Fábio Carvalho. Iniciei o trabalho com o Igor treinando  somente a natação, e o técnico Carlos Moraes que comandava a bike e corrida. Depois de um ano fazendo esse trabalho eu e Carlos Moraes iniciamos a equipe CPH dividindo a responsabilidade sobre toda estruturação, planejamento e treinamento em campo do Igor. Esse trabalho em conjunto está dando muito certo pois temos muita afinidade fora do trabalho e muito respeito pelo trabalho e ideia do outro.

Como tem sido esta experiência de treiná-lo?

Esses anos treinando o Igor têm sido uma ótima experiência, cada ano estamos aprendendo mais e olhando as provas do Circuito com outros olhos. O bom de tudo que vem acontecendo é que estamos crescendo junto e cada ano sinto que estamos sempre evoluindo mentalmente.

Qual o momento mais difícil que já passaram?

Não considero um mal momento, mas se tiver que escolher um, seria o período dos Mundiais de 70.3 e Ironman do ano passado. Tentamos acertar uma programação longe de Balneário Camboriú e no fim o resultado não veio, porém não considero um momento ruim, pois sempre se tira boas lições.

Qual o melhor momento que já passaram?

O melhor momento não sei se escolho a vitória no Ironman Florianópolis 2014 ou o tempo sub 8 horas desse ano. Como prova, sem dúvida, esse ano foi a melhor performance, porém a vitória no IM 2014 foi muito marcante por ser o primeiro brasileiro a vencer em casa, com a presença todos os familiares, amigos e atletas juntos para comemorar. No fim de tudo é isso que realmente vale.

Como foi o treinamento dele este ano visando o Mundial no Havaí?

A preparação para Kona não mudou do Ironman Florianópolis, estamos mantendo nossa filosofia e tudo que acreditamos.

O que espera do dia 10 de outubro?

Com o tempo aprendemos que não se pode criar toda expectativa em uma só prova como se fosse a última, o atleta tem que buscar a evolução constante e treinar para ser competitivo nas provas de alto nível como esse mundial, estamos nesse caminho buscando evolução, se continuar evoluindo sempre estaremos mais próximo de bons resultados.        

Deixe seu comentário

comentários

Redação

The author didnt add any Information to his profile yet