Bike Box: O ciclismo para triatletas iniciantes!

Para os triatletas iniciantes o primeiro passo é escolher a bicicleta certa e isso não tem nada a ver com o valor desse equipamento e sim com os objetivos do atleta e também seu tamanho. Como exemplo podemos ter triatletas que queiram participar apenas de provas de XTerra (triathlon off road), nesse caso a bicicleta ideal seria uma mountain bike (específicas para terrenos acidentados). Para atletas que gostam apenas de provas curtas com vácuo (shorts e olímpicos), recomendo as road bikes (leves e ágeis). Já os que preferem os desafios mais longos como as provas de 70.3 e Ironman devem optar pelas time trial bikes (específicas para provas contra o relógio onde a manutenção da velocidade atingida é fator preponderante). Dessa forma o atleta poderá usufruir ao máximo de seu equipamento.

Outro aspecto importante é o tamanho das bicicletas, que deve ser determinado por uma série de medidas, que proporcionarão ao atleta mais conforto, segurança e performace. Juntamente a isso vale ressaltar a importância de se fazer um bom “bike fit”, que é o ajuste perfeito entre o atleta e o equipamento.

Conceitualmente, quanto mais “agressiva”, mais aerodinâmica e mais atraente é a bike. Olhando as bicicletas dos atletas profissionais, observamos normalmente, que estas têm um desnível considerável entre o selim e o guidão. Mas será que esses conceitos são aplicados a todos os atletas?

Devemos tomar como base o princípio da individualidade biológica, que diz que cada ser humano é único e essa singularidade deve ser respeitada. Outro ponto a ser observado é que os profissionais, são atletas geneticamente privilegiados, além de terem uma enorme “bagagem” de anos praticando o esporte e na grande maioria das vezes um tempo disponível para treinamento bem superior ao dos atletas amadores, o que lhes dá uma condição diferenciada para suportar determinadas imposições feitas na busca dos melhores resultados.

Atletas amadores de provas curtas podem até se dar o luxo de não se preocupar tanto com conforto, mas atletas que pensam em participar de competições de Ironman e/ou de 70.3 não podem abrir mão desse quesito ou estarão fadados a pagar um alto preço na etapa de corrida e consequentemente no seu tempo final de prova.

Uma posição aerodinâmica nada tem a ver com o quanto seu guidão está baixo em relação ao selim (desnível). Tem sim, relação com o quão forte você consegue pedalar naquela posição, por quanto tempo e em que condições sairá para correr depois. A melhor posição aerodinâmica é aquela que você consegue sustentar quando está cansado! De nada adianta estar muito agressivo se você a todo momento muda de posição para relaxar o pescoço ou as costas, fazendo com que o arrasto aerodinâmico aumente. Portanto, mesmo que sua bike não fique tão “bonita” pendurada na área de transição, pense que ela será mais eficiente e te levará em melhores condições a cruzar a linha de chegada!

Falando diretamente do treinamento aí vão algumas dicas para potencializá-lo:
* O aquecimento é fundamental antes de iniciar seu treino, pois com ele é possível aumentar a temperatura corporal, lubrificar as articulações, elevar a freqüência cardíaca e a circulação sanguínea. O aquecimento pode durar de 5 a 15 minutos dependendo do objetivo do treino, quanto mais intenso o treino maior deve ser o tempo de aquecimento.

* Comece a utilizar marchas mais pesadas e cadências menores (70-80rpms), isso fortalecerá suas pernas e fará com que seus batimentos cardíacos não subam tanto quanto se estivesse girando mais rápido. Se sua prova é o XTerra, pelo menos uma vez por semana faça treinos em trilhas ou estradas de barro, para habituar seu corpo às irregularidades desse tipo de terreno. Agora, se sua prova alvo são as curtas, com vácuo, não deixe de treinar as retomadas de velocidade, pois são bem comuns nesse tipo de prova. Agora, se você estiver treinando para uma prova longa, procure se manter a maior parte do tempo no clip, pois nessa posição estará poupando a musculatura que usará posteriormente na corrida, com essa medida você poderá sair para correr em melhores condições.

* Sempre que possível faça seu treino de natação antes do treino de ciclismo. Com certeza seu corpo responderá ao treino de ciclismo de forma diferente, pois parte de suas reservas energéticas já terão sido utilizadas. Lembre-se que no triathlon você sempre pedalará depois de ter nadado!

Rodrigo Tosta – ironguides coach, Rio

Deixe seu comentário

comentários

Redação

redacao@golonger.com.br

error: copyright Trisport