6 dicas de como fazer NETWORKING esportivo

Networking. Percebo que há muita confusão quando entramos nesse tema que é primordial para uma carreira esportiva profissional de sucesso. Não só esportiva, mas em todos os âmbitos da sua vida, afinal de contas as pessoas é que abrem as portas, não as máquinas. Mas conhecer as pessoas certas não é uma tarefa simples, pois quando lidamos com seres humanos, uma série de variáveis estão presentes, tais como a empatia, ou o famoso “fui com a cara“, a simpatia, o interesse mútuo, o propósito compartilhado, a vontade de estar juntos. Networking, no fim das coisas, trata-se de relacionamento.

Quero compartilhar com vocês algumas sugestões que percebo darem certo no meio esportivo e que geram resultados surpreendentes, desde a postura que você tem ao iniciar uma conversa até o desejado aperto de mãos. O networking precisa ser levado tão a sério como o desejo por conquistar a sua melhor performance. O networking pode favorecer a sua presença nas redes sociais, nos eventos e palestras, na imprensa e nas empresas as quais você está interessado.

Então vamos a algumas dicas práticas para fazer o seu networking acontecer e gerar patrocínio:

  1.  Viva as redes sociais: Já disse anteriormente que o meio digital proporcionou às pessoas uma integração maior entre si e o mundo do conhecimento. Através delas você pode encontrar pessoas com interesses mútuos em grupos de discussão. Temas que antigamente eram tabus hoje espalham-se na web em comunidades, blogs, fóruns e redes sociais. Não existem mais as mesmas barreiras que tínhamos no tempo em que a internet não existia. Hoje é possível que você integre um grupo à partir de algumas buscas no Google. Porém, as redes sociais não são o melhor espaço para você abordar selecionadores. O ideal é que ela lhe sirva como uma segunda plataforma de encontro pela qual você fará contato com pessoas que você já conheceu pessoalmente, afinal de contas, uma rede social ainda é pessoal e nem sempre um atleta será bem-vindo na de um selecionador. Vejo muita gente abordando pessoas dizendo “Olá, como faço para ser patrocinado pela sua empresa?”. E isso sem conhecer o selecionador, sem antes apresentar-se, sem ser chamado. Meus amigos, isso é impertinência. Por favor evitem! Em redes como o LinkedIn isso ainda é possível, mas no Facebook pode ser desastroso e acabar com a sua imagem diante do selecionador. Use também o Twitter para entender sobre os temas que aquela pessoa gosta e compartilha, assim você poderá iniciar um excelente contato compartilhando conteúdos relevantes com ela. Acredito que o Twitter seja a melhor ferramenta para networking mas existem pessoas que não estão lá. E como encontrá-las? Eventos!
  2. Eventos: Eventos são fantásticos pois reúnem pessoas em um local físico, com interesses semelhantes. Eventos esportivos tendem a se tornar cada vez mais ambientes de negócios nos quais empresas conhecem atletas, atletas conhecem empresas que estão dispostas a investir no esporte. Mas nunca proponha nada em eventos. Esses são momentos bons para confraternizar o desejo mútuo, trocar informações e cartões de visita, por exemplo. Após conhecer pessoalmente alguém, aí sim você poderá adicioná-la às suas redes sociais sem medo de ser ou não aceito. É até bem interessante que você, antes de fazer o contato pessoal conheça as atividades do outro, mas caso isso não seja possível, procure entender o que o outro faz, interesse-se por aquilo e argumente. É um excelente momento para criar empatia e ter uma presença marcante.
  3. Amizade é diferente de ser amigável: Ser amigável com as pessoas a sua volta atrai a simpatia deles. Mas ser agradável não é uma tarefa fácil quando estamos ansiosos por aquele contato. As relações profissionais tendem a ser muito frias, mas no fundo não são, pois como disse, tudo se trata de relacionamento humano. Se você chega em alguém e já propõe um negócio, logo de cara, pode parecer que você é interesseiro e o outro vai ter uma impressão ruim. Para ser agradável e amigável você precisa entender o outro, se colocar no lugar dele. Quanto mais você tratar bem alguém mais longa será a duração desse relacionamento. Parece redundante, você deve pensar assim, mas reflita um pouco sobre suas abordagens, será que elas não são um pouco agressivas? Porque o mesmo tratamento que você dá para alguém é o que receberá de volta. E agindo de boa fé, quando você enviar uma proposta, ela será recebida com boa fé. A famosa lei do retorno.
  4. Uma boa impressão: Quando estamos em contato direto com algum selecionador temos a grande oportunidade de apresentar-lhe nossas qualidades. Mas também não devemos centralizar o foco do diálogo somente nisso, pois pode parecer arrogância. Conhecer pessoas é uma excelente oportunidade de encontrar interesses em comum e a maneira como você aborda é fundamental, pois será a primeira impressão que terão de você, e vocês conhecem o ditado, ela fica! Se você fizer a tarefa de casa e pesquisar a empresa e o selecionador dela com antecedência, assim como conhecer os atletas que a marca já patrocina, poderá ter de antemão uma ideia de como iniciar uma conversa, mostrando exatamente aquelas qualidades que a empresa busca. Já vivi casos em que tive tão boa impressão do atleta pela maneira que fui abordado, ele conhecia a empresa, sabia no que estávamos trabalhando naquele momento e sabia que ele tinha uma boa proposta a fazer, que a parceria aconteceu facilmente. Ele deixou claro para mim que tinha as habilidades que precisávamos naquele momento, sem ser arrogante. Pense nisso!
  5. Menos é mais: Não vai adiantar de nada você ter milhares de contatos na sua agenda ou nas suas redes sociais, se esses contatos não estão indo na mesma direção que você. Procure contatos de pessoas que realmente importam, com quem poderá fechar negócios. Não é falsidade quando a relação é sincera e mútua. Por isso seja um pouco seletivo. Um milhão de “amigos” que não acrescentam nada, representam o número zero nessa equação. Uma coisa que você pode fazer é montar grupos baseados em propósito, direcionando ações assertivas de abordagem, sendo mais fácil saber com quem contar em cada momento.
  6. Nada como um café e um bom papo: Como disse acima, as redes sociais não são a melhor maneira de fazer bons contatos. Para ter uma rede de contatos sólida é preciso empatia, que por sua vez é muito mais fácil de ser construída pessoalmente. Conhecendo as pessoas, torna-se muito mais fácil entender o momento certo em que os seus interesses se cruzam e apresentar uma boa proposta de parceria. Sempre que houver uma oportunidade, marque de tomar um café, não necessariamente para apresentar algum negócio, mas para manter aquela relação aquecida e viva. Em uma boa conversa, a sintonia vai acontecendo, e quando menos espera você terá em suas mãos a oportunidade certa. Se você estiver pensando que não tem tempo para isso, lembre-se que isso é ser profissional, e não um amador. Caso não vire nenhum negócio disso, pode ter certeza que poderá construir uma boa relação de proximidade e, quem sabe até de amizade.

Enxerguem isso como marketing de atração, não de imposição. O networking pode fazer milagres na sua trajetória e com certeza é uma excelente oportunidade de praticar o carisma.

Raphael Dagaz é Fundador do projeto Esporte Dagaz e profissional de Relações Públicas com experiência em comunicação corporativa, marketing digital e marketing esportivo construído através de empresas governamentais e multinacionais nas áreas de bens de consumo, onde tem desenvolvido projetos de relacionamentos com a mídia, imprensa, formadores de opinião e as stakeholders.

 

Deixe seu comentário

comentários

Redação

redacao@golonger.com.br

error: copyright Trisport